Sistema Farsul e Fundação Pró-Sementes apresentam resultados de cultivares de soja

SISTEMA FARSUL E FUNDAÇÃO PRÓ-SEMENTES DIVULGARAM, NESSA TERÇA-FEIRA, 31 DE JULHO, O RESULTADO DO ESTUDO DO DESEMPENHO DE CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA O RIO GRANDE DO SUL NA SAFRA 2017/2018. O LEVANTAMENTO, QUE CONTA COM O PATROCÍNIO DO SENAR-RS, ANALISA O RENDIMENTO E AS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PELO ZONEAMENTO AGRÍCOLA NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO. A PESQUISA É UM INSTRUMENTO PARA QUE PRODUTORES RURAIS E ASSESSORIA TÉCNICA POSSAM ANALISAR COMO CADA CULTIVAR RESPONDE ÀS DIFERENÇAS DE CADA LOCAL AUXILIANDO NA COMPRA DE SEMENTES. A ESCOLHA CORRETA PODE GARANTIR MAIS RENDIMENTO AO PRODUTOR, COM DIFERENÇAS EM GANHOS QUE PODEM CHEGAR A R$ 1.920 POR HECTARE.


FORAM ANALISADAS 43 CULTIVARES QUE SÃO INDICADAS PELO ZONEAMENTO AGRÍCOLA DO MAPA EM TRÊS MICRORREGIÕES, REPRESENTADAS POR OITO MUNICÍPIOS. AS ANÁLISES INCLUÍRAM CULTIVARES DE CICLO PRECOCE E MÉDIO/TARDIO E CONSIDERARAM DUAS ÉPOCAS DE PLANTIO. OS MAIORES ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE FORAM OBTIDOS COM AS CULTIVARES PRECOCES SEMEADAS EM SEGUNDA ÉPOCA M 5947 IPRO, EM PASSO FUNDO, E A M5838 IPRO, EM VACARIA, QUE ATINGIRAM 104 SACAS POR HECTARE.


O ESTUDO DEMONSTRA QUE A AMPLITUDE DE PRODUTIVIDADE ENTRE AS AMOSTRAS ANALISADAS EM SANTO AUGUSTO, POR EXEMPLO, CHEGOU A 24 SACAS, O QUE SIGNIFICA QUE O PRODUTOR QUE OPTASSE PELA VARIEDADE MAIS PRODUTIVA CHEGARIA A GANHAR R$ 1.920 A MAIS POR HECTARE COMPARADO COM AQUELE QUE OPTOU PELA CULTIVAR QUE TEVE O PIOR DESEMPENHO.


SEGUNDO O PRESIDENTE DA FARSUL, GEDEÃO PEREIRA, O ESTUDO É IMPORTANTE PARA AJUDAR O PRODUTOR NAS ESCOLHAS QUE FAZ ANTES DO PLANTIO. “TEMOS MUITA TECNOLOGIA, MAS TAMBÉM TEMOS MUITAS VARIÁVEIS QUE IMPACTAM A PRODUÇÃO. O ESTUDO É BASEADO EM CRITÉRIOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS E AJUDA A REDUZIR AS INCERTEZAS DO PRODUTOR”, AFIRMA GEDEÃO.


DE ACORDO COM A GERENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DA FUNDAÇÃO PRÓ-SEMENTES, KASSIANA KEHL, O RESULTADO REFLETIU A VARIAÇÃO CLIMÁTICA QUE CARACTERIZOU A ÚLTIMA SAFRA COM SECA NA METADE SUL E QUANTIDADE DE CHUVA FAVORÁVEL NO RESTANTE DO ESTADO, O QUE GEROU UMA AMPLA VARIAÇÃO DE RESULTADOS ENTRE AS REGIÕES E PRODUTIVIDADE INFERIOR À SAFRA 2016/2017. A VARIABILIDADE CLIMÁTICA PERMITIU A OBSERVAÇÃO DO DESEMPENHO DE DIFERENTES CULTIVARES EM SITUAÇÕES NORMAIS E DE ESTRESSE HÍDRICO. O ESTUDO DEMONSTRA QUE A ESCOLHA PELA CULTIVAR DEVE LEVAR EM CONTA NÃO APENAS A REGIÃO E A ÉPOCA DO PLANTIO, BEM COMO AS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PREVISTAS, EXPLICA KASSIANA.


O VICE-PRESIDENTE DA FARSUL ELMAR KONRAD CONSIDEROU O ESTUDO IMPORTANTE POR ACOMPANHAR AS MUDANÇAS NO ZONEAMENTO AGRÍCOLA EM UM MOMENTO EM QUE O PRODUTOR BUSCA MAXIMIZAR OS GANHOS APESAR DAS INCERTEZAS EM RELAÇÃO AO CLIMA E À SITUAÇÃO POLÍTICA INTERNACIONAL, QUE PODE IMPACTAR O CÂMBIO E AS NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS.



logo_topo.png

Um site de @Stefano Santos, PortalNMT | Sindicato Rural de Não-Me-Toque 2020 | Todos os direitos reservados 

Clique aqui para falar com a gente!